segunda-feira, 5 de abril de 2021

The midnight library, de Matt Haig - Opinião

Título original - The midnight library
Sinopse: Between life and death there is a library, and within that library, the shelves go on forever. Every book provides a chance to try another life you could have lived. To see how things would be if you had made other choices ...Would you have done anything different, if you had the chance to undo your regrets?”
A dazzling novel about all the choices that go into a life well lived, from the internationally bestselling author of Reasons to Stay Alive and How To Stop Time.
Somewhere out beyond the edge of the universe there is a library that contains an infinite number of books, each one the story of another reality. One tells the story of your life as it is, along with another book for the other life you could have lived if you had made a different choice at any point in your life. While we all wonder how our lives might have been, what if you had the chance to go to the library and see for yourself? Would any of these other lives truly be better?
In The Midnight Library, Matt Haig’s enchanting new novel, Nora Seed finds herself faced with this decision. Faced with the possibility of changing her life for a new one, following a different career, undoing old breakups, realizing her dreams of becoming a glaciologist; she must search within herself as she travels through the Midnight Library to decide what is truly fulfilling in life, and what makes it worth living in the first place.

Opinião:
The midnight library marca a primeira leitura do ano do Tearing pages book club, que passou agora a ser uma leitura a cada dois meses. Tendo passado os olhos pela sinopse, a premissa do livro parecia bastante promissora pelo que estava entusiasmada com esta leitura.
Neste universo, a Nora é uma pessoa pacata, deprimida, sem ambição, que está à deriva, a ver os dias passarem. Ela decide que atingiu o limite e resolveu suicidar-se. É neste momento, entre a vida e a morte, que surge a biblioteca da meia-noite, onde o tempo está estático e as possibilidades são infinitas.
Adorei o conceito de ser possível experimentar as vidas de realidades alternativas, vidas que advêm da tomada de escolhas diferentes, em diversas fases da vida! Seguramente, todos nós já pensamos "e se..." e o autor agarrou nesse mesmo pensamento e criou algo muito giro.
Na minha opinião, foi particularmente relevante, que a cada nova experiência havia uma lição a tirar e com o avançar da narrativa, ficou claro que esta era uma jornada de descoberta, de auto-conhecimento e que permitiu valorizar alguns aspectos da vida real da Nora, que estava pautada de arrependimentos...ou assim ela a julgava. Ela via o copo como meio vazio e ao ver "the big picture", a sua maneira de pensar e o modo que ela passou a ver o mundo tornou-se no "copo meio cheio", foi transformador. Gostei bastante e recomendo vivamente 😊
★★★★★

quarta-feira, 3 de março de 2021

A vossa sugestão

 Olá leitores,

existe algum livro que vocês gostariam que eu lesse e desse opinião durante este mês? 

Supondo que eu tenho condições de adquiri-lo. Talvez fosse bom vocês darem mais do que uma sugestão 😊


Um abraço virtual,

Da administração

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2021

Me Poupe! 10 passos para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso, de Nathalia Arcuri - Opinião

Título original -
 Me Poupe! 10 passos para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso
Sinopse: Como economizar no dia a dia? Como poupar mesmo ganhando pouco? Quais são os melhores (e os piores) investimentos? Como poupar para o futuro sem abrir mão dos desejos e necessidades do presente?
Sei que você tem muitas dúvidas sobre o que fazer com o seu dinheiro. Sei também que muita gente simplesmente não faz nada com ele – a não ser pagar contas e juntar moedinhas para chegar até o fim do mês.
É por isso que estou aqui.
Sempre fui uma poupadora compulsiva. Desde cedo compreendi que precisaria juntar dinheiro para realizar meus sonhos. Aos 7 anos comecei a poupar para comprar um carro quando fizesse 18. Com 23 comprei meu primeiro apartamento à vista. Aos 30 pedi demissão do meu emprego de repórter de TV e montei o canal Me Poupe!, no YouTube. Aos 32 me tornei milionária.
Hoje o Me Poupe! tem mais de 2 milhões de inscritos e é visto por mais de 8 milhões de pessoas por mês, sendo pioneiro na criação do conceito de entretenimento financeiro ao falar de dinheiro com leveza e bom humor. Tenho orgulho de dizer que, aos 35 anos, estou perto de conquistar minha independência financeira.
Vou contar para você como cheguei até aqui, as roubadas em que me meti, as dúvidas que tive e tudo o que aprendi ao longo desses anos. Mas este livro não é sobre mim. É sobre você, o seu dinheiro e a maneira como vem lidando com ele até agora.
Eu resolvi escrevê-lo para passar uma mensagem curta e grossa: você pode sair do buraco, não importa qual o tamanho dele.
Para ajudar nesse processo, reuni exemplos práticos, situações reais, planilhas e exercícios, e organizei tudo isso em 10 passos simples para nunca mais faltar dinheiro no seu bolso.
A partir dessas dicas, você vai aprender a dar um basta nos hábitos que sabotam sua saúde financeira, a identificar as crenças que impedem seu enriquecimento e a encontrar modalidades de investimento que caibam na sua realidade. E o melhor: vai descobrir um mundo maravilhoso em que o dinheiro trabalha para você, e não você para ele.
Mas talvez a minha dica mais importante seja: poupar não é só acumular um monte de dinheiro. Poupar tem a ver com realizar sonhos. É necessário ter foco, estabelecer prioridades e até abrir mão de uma ou outra coisa em nome de um objetivo maior.
Eu poupo desde criança porque tenho metas e propósitos. E essas metas e propósitos têm a ver com pessoas e com experiências, porque, afinal, viver não é correr atrás de grana. A vida vale pelas experiências que o dinheiro nos proporciona, pelos encontros que temos pelo caminho e pela alegria de estarmos vivos todos os dias.

Opinião:
Poucas coisas são tão adequadas para ler numa época de crise trazida pela pandemia. Ou assim julguei. Nós, os cidadãos comuns, temos passado por tantas privações ao longo dos últimos doze meses, com cada vez mais contágios e restrições, muitos negócios estão fechados, a fonte de rendimento é reduzida e infelizmente, muita gente perdeu o seu emprego.
Nessa nota, quis ler algo que remetesse à poupança e que providenciasse conselhos para gerir melhor o dinheiro. Apesar de ter sido a primeira vez que "ouvi o seu nome", logo percebi que a autora tem um blogue e um canal no youtube, ambos proeminentes, com o intuito de ajudar as pessoas com as economias pessoais e outros assuntos relacionados. 
Esta foi uma leitura leve, com uma escrita de fácil compreensão e que elucida o leitor nalguns conceitos. Pelo meio, são partilhadas algumas dicas de poupança e de investimento, e a autora fala das suas experiências pessoais no campo financeiro desde uma idade tenra, e inclui as suas metas futuras.
Confesso que uma ou outra coisa, já faço mas fiquei com variadas opções em mente. Contudo também é preciso ser realista, e com a crise que está, não vejo muitas opções que possam ser viáveis com o sucesso que ela obteve. Ainda tenho a acrescentar que sendo uma autora residente no Brasil e devido a vários conteúdos económicos partilhados serem estruturados à volta disso, esta obra está mais indicada ao povo brasileiro, mas não deixa de ser interessante para povos noutras regiões.
★★★

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

A linguagem corporal no trabalho, de Allan Pease e Barbara Pease - Opinião

Título original - Body language in the workplace
Editora: Sextante
Sinopse: As pessoas costumam ir para o trabalho todos os dias sem se dar conta da importância de sua linguagem corporal. No entanto, a capacidade de ler as mensagens não verbais dos seus colegas, chefes e parceiros de negócios – e usá-las a seu favor – é uma peça-chave para o sucesso.Em A linguagem corporal no trabalho, Allan e Barbara Pease, especialistas em relacionamentos, ensinam alguns dos maiores segredos do mundo corporativo. Você será capaz de se comunicar de maneira mais eficaz para conseguir obter o que quiser em qualquer encontro profissional.
Aprenda o valor de um bom aperto de mão, a importância de olhar nos olhos do seu interlocutor e como se vestir adequadamente para situações profissionais. Torne-se consciente de suas ações, desenvolvendo uma linguagem corporal positiva, sem parecer tímido nem agressivo.

Opinião:
Decidi-me a tentar inserir mais variedade no tipo de leituras que normalmente leio, pelo que no ano transacto, comecei a introduzir nos meus objectivos anuais, pelo menos um livro no campo da auto-ajuda. Na verdade, optei pelo Ele não está assim tão interessado por curiosidade, porque vi na capa que tinha sido adaptado cinematograficamente e contava com artistas muito acarinhados pelo público e então julguei que iria ser algo assim mais ao estilo comédia romântica...mas estava mesmo mais na área de auto-ajuda ou self help.
Este é um género literário que de uma forma geral não é propriamente apelativo para mim, porém após uma breve busca, confesso que existe uma panóplia de temáticas, algumas das quais podem revelar-se realmente uma mais valia. No fundo, julgo que é uma questão de avaliarmos o que nos interessa ou em que situação nos encontramos, e se achamos que vamos beneficiar de alguma forma com as dicas, conselhos, ensinamentos ou experiências dos autores.
Com a actual conjuntura, nada deve ser realmente tido como garantido. Infelizmente, cada vez mais se ouve falar que tal negócio fechou, ou tal individuo foi despedido, e é verdadeiramente assustadora, a perspectiva de poder vir a ser um desses casos. Nessa nota, seleccionei este título numa tentativa de melhorar algumas competências. 
A linguagem corporal é uma forma de comunicação e é inerente da forma como o mundo nos vê, eu acredito, e está comprovado, que podemos usá-la para transmitir uma mensagem adequada aos outros. Este livro apresenta dicas para diversas situações, algumas das quais apelam a processos psicológicos de como lidar com colegas, com superiores, em entrevistas de trabalho, inclusive dá conselhos para o caso de o individuo ser do sexo masculino ou feminino. De uma forma geral, posso dizer que foi uma leitura enriquecedora.
★★★★

terça-feira, 2 de fevereiro de 2021

Poor Unfortunate Soul [Villains 3], de Serena Valentino - Opinião


Título original -
Poor Unfortunate Soul
Saga: Villains #3
Sinopse: The third novel in Serena Valentino's (Fairest of All, Beast Within) "VILLAINS" trilogy, featuring the story of the Little Mermaid from the perspective of the sea witch Ursula.

Opinião:
Olá de novo malta, eu confesso que gosto de ler retellings e quando descobri esta saga, fiquei interessada, porém alerto-vos sobre o seguinte: a sinopse não corresponde ao que o livro trata.
A história da pequena sereia é falada sim, como não podia deixar de ser num retelling mas isto não se trata da perspectiva da Úrsula. O interesse da obra está no facto de dar-nos a conhecer parte do passado da protagonista, o motivo de ter se tornado má e a raiz do ódio nutrido por Tristão e pelos humanos. 
Agradou-me a inocência, ingenuidade da jovem Úrsula, a capacidade de amar e a fé no seu pai adoptivo, uma faceta desconhecida para nós e há muito enterrada no âmago do seu ser. A atrocidade dos eventos que levaram ao ponto de ruptura, não tem palavras. O ser humano pode ser realmente terrível e, à falta de melhor palavra para os actos maléficos, desumano.
A autora mostrou-nos um outro lado do Tristão, que nos mostra ser alguém limitado, com pouca empatia e cruel se querem que diga, eu realmente achei que foi assim que ele foi retratado aqui e muito me surpreendeu.
Noutras núpcias, agrada-me que a cada volume haja a constante presença e envolvimento das três irmãs feiticeiras (aquelas intrometidas! 😂). Eu sei que saltei um volume e que cada um envolve uma história central mas com esta leitura, eu entendi perfeitamente que apesar disso, aqui há uma lógica estrutural de continuidade e acabei por ter alguns spoilers e fiquei sem entender alguns aspectos, então recomendo que se leia pela ordem de publicação.
★★★★

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Fairest of all [Villains 1], de Serena Valentino - Opinião

Título original - Fairest of all
Saga: Villains #1
Sinopse: Why exactly is the wicked Queen so nasty, particularly to Snow White? Perhaps it has something to do with the creepy-looking man in the magic mirror who's not just some random spooky visage...

Opinião:
Em 2021 a estreia nos retellings é trazida pelas mãos de Serena Valentino, com Fairest of all, (mais) um twist para a história da Branca de neve. Quem vê o meu blogue provavelmente pensa que esta era a minha história favorita da Disney...não era, mas vi a animação diversas vezes. 😂
Somos introduzidos neste universo sob a alçada da madrasta, a rainha, outrora uma mulher simpática, simples, afável, capaz de amar. Foi por amor que contraiu matrimónio com o rei mas quis o destino que a sua felicidade tivesse os dias contados. A dor toldou a sua personalidade, bem como a utilização do espelho, que transformou-a por completo.
Bem sabemos que cada pessoa lida com a perda de maneira diferente e são também distintos os efeitos que tem em cada um de nós. A rainha cedeu ao que o homem do espelho lhe oferecia, a verdade e a capacidade de lhe informar sobre tudo o que era vivo. Foi um pouco triste ver como ela afastou deliberadamente quem a amava, quem lhe queria bem e alienou-se de todos.
Navegando por um mar infinito de pesar, a rainha entregou-se à vaidade. Toda a vez que o espectro no espelho lhe dizia que era a mulher mais bela do reino, ela maravilhava-se e passou a reconhecer isso como o que a fazia feliz, fomos acompanhando como isso tornou-se uma obcessão.
Não quero estar a fazer grandes revelaçōes então direi apenas isto. Gostei que tivessemos visto outra faceta da rainha, uma capaz de amar e de aceitação. Surpreendeu-me a origem do espelho, não me refiro ao fabrico mas ao espectro. O sacrifício e a história por trás, que levou a que o espelho ficasse animado, achei interessante.
★★★

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

Happenstance 3 [Happenstance 3], de Jamie McGuire - Opinião

Título original -
Happenstance 3
Saga: Happenstance #3
Sinopse: Be careful what you wish for. You just might get it all.
Now that Erin has learned the truth about the girls who tortured her, and about the boy she loves, she finds her time before graduation dwindling at an alarming and exciting pace. What used to be summer break was now a countdown to her final days in Blackwell. Her parents, Sam and Julianne struggle with the fear that just when they’ve found Erin, they must let her go, and the tension is higher than it’s been since Erin discovered who she really was.
Finally with the girl he’s loved since childhood, Weston grows more desperate as the summer days pass. He and Erin will go to separate colleges. His biggest fear is that this means they’ll go their separate ways. Plagued with making the best of the time he has left with Erin, and finding a way to make it last, Weston finds himself in a different state of mind hourly. He is just beginning to realize that hope is like quicksand. The harder Weston struggles, the faster Erin sinks.

Opinião:
A conclusão da saga chega-nos através da terceira parte de Happenstance. Após um segundo volume "morno", lancei-me de cabeça para descobrir o desfecho da história da Erin todavia sem grandes expectativas. 
Aproveito para anunciar que esta leitura permite-me concluir o primeiro desafio literário de 2021: ler uma trilogia. Dá-me imenso gosto propor-me e efectivamente, realizar os desafios literários. Nem sempre consigo conclui-los mas são tão gratificantes, que todos os anos acabo por repetir alguns e tentar alcançar o máximo de metas. 
Ter o coração partido não é fácil, mas a possibilidade de perder o amor é um pesadelo que a Erin jamais pensou viver. Feitas as pazes, os pombinhos querem aproveitar para estar juntos, uma vez que o tempo escasseia. 
Achei parva a dificuldade que o Weston teve em lidar com o modo como a Erin dispendia o seu tempo, que no meu ver, desrespeitava a tentativa de conhecer e formar laços com os pais dela, e isso evidenciou egoísmo. 
Na adolescência tudo parece o fim do mundo, mas o Weston exagerou de tal forma que acabou por afastar a moça, não tendo em consideração que ela passou a vida sozinha e tudo aquilo simplesmente era demais.
Gostei que a protagonista fosse muito decidida em seguir o seu sonho e não se desviar do percurso por ninguém. Esta foi uma das minhas protagonistas favoritas de YA dos últimos tempos por ser bem mais madura, realista, segura nas decisões, independente e sem dramas típicos, que lemos um pouco por todo o lado, e isso foi refrescante.
Em termos da história em si, creio que havia espaço para melhorias. Após o primeiro livro, julguei que os outros volumes tivessem mais reviravoltas e acção, e realmente foram desvendados segredos interessantes porém o desenrolar da trama não me cativou particularmente. 
★★★

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Happenstance 2 [Happenstance 2], de Jamie McGuire - Opinião

Título original -
 Happenstance
Saga: Happenstance #2
Sinopse: Erin Easter was now Erin Alderman, because Erin Alderman was dead.
In the second installment of this USA Today bestselling series, follow protagonist Erin, a high school senior in tiny Blackwell, Oklahoma. After a terrible accident leaves two classmates dead, Erin learns that she was switched at birth. Shortly after, she moves into the home of her true parents, Sam and Julianne Alderman, transforming Erin over night from pariah of Blackwell High School, to the only child of one of the most affluent couples in town.
Also being pursued by her childhood crush, Weston Gates, the dream she once had is now reality. But when Erin stumbles upon secrets that gives her the answers she’s been searching for, she also finds a truth she never wanted to know.

Opinião:
Li "Happenstance 2" no dia seguinte após ler o primeiro, porém confesso que este volume não foi tão interessante quanto o anterior. A acção decorre no seguimento dos eventos finais do livro precedente. 
Ao descobrir acerca da troca de bebés no hospital, a Erin vai morar com os pais biológicos e aqui acompanhamos o desenrolar da relação que está a estabelecer com eles. A perspectiva da proximidade do término da escola e do seu namoro ir de vento em pompa são aspectos que lhe trazem muita alegria. 
Foi agridoce ler algumas passagens do livro. Por um lado é uma mudança imensa, uma vida completamente nova e uma adaptação difícil, tudo parece finalmente estar a encaixar e a fluir bem, contudo ela não consegue deixar de sentir que algo de infeliz lhe espera. Foi um pouco triste, depois de uma infância miserável, a Erin ainda achar que vai haver um "equilíbrio" de algo tão negativo para o tanto de maravilhoso que lhe está a acontecer. 
Noutras núpcias, o colega dela Brady é um ser detestável mas acabou por ser a pessoa que lhe chamou a atenção para algo que estava a acontecer há algum tempo...e foi aqui, neste momento que a trama se tornou previsível, em parte. Foi exactamente este aspecto que me decepcionou um bocado, julgava que a narrativa fosse tomar outros contornos mas acabou por ser cliché. Por outro lado, posso dizer honestamente que fiquei surpresa ao descobrir o motivo do ódio que as outras Erins nutriam pela protagonista. Outra injustiça e a agravar estava o facto de ser uma projecção nela mas que deveria ser direccionado a outra personagem. 
★★★