quinta-feira, 16 de novembro de 2017

[2017] TBR Jar Challenge 8

Boa noite meus caros,
o tópico do TBR que me calhou hoje foi...


* Ler um livro que nunca terminei

*Challenge accepted!*

Para ver o progresso dos desafios, basta ir ao separador Desafios literários, logo abaixo do nome do blogue, que serão remetidos para o seu respectivo link.


quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Requiem [Delirium 3], de Lauren Olivier - Opinião

Título original - Requiem
Saga: Delirium #3
Sinopse: Now an active member of the resistance, Lena has transformed. The nascent rebellion that was underway in Pandemonium has ignited into an all-out revolution in Requiem, and Lena is at the center of the fight. After rescuing Julian from a death sentence, Lena and her friends fled to the Wilds. But the Wilds are no longer a safe haven. Pockets of rebellion have opened throughout the country, and the government cannot deny the existence of Invalids. Regulators infiltrate the borderlands to stamp out the rebels.
As Lena navigates the increasingly dangerous terrain of the Wilds, her best friend, Hana, lives a safe, loveless life in Portland as the fiancée of the young mayor.Requiem is told from the perspectives of both Lena and her friend Hana. They live side by side in a world that divides them until, at last, their stories converge.


Opinião:
O desfecho da saga Delirium chega com Requiem. Acabei de ler Pandemonium e achei fantástico, na verdade foi o melhor dos três na minha opinião. Lancei-me imediatamente de cabeça neste terceiro volume, tão entusiasmada que estava. Pensei "ele está vivo e agora?" Quis logo descobrir. Não sei bem o que esperava mas teve lógica o que se passou (algumas coisas).
Com o aumento da população de inválidos a crescer à margem das cidades e com as manifestações de actividades dos rebeldes, os governos não puderam mais negar a sua existência. Então tomaram medidas para combater a ameaça e adentraram nos "Wilds". 
A ideia era reduzir os números e esmagar o movimento. Quebrar o espírito dos inválidos. Contudo o efeito foi o oposto.
Em Pandemonium tinhamos o antes e o agora, neste livro temos dois pontos de vista, o da Lena e o da Hana. Isto dá-nos perspectivas de ambos os lados praticamente em simultâneo, dos rebeldes e um pouco do governo, devido às ligações da Hana à alta sociedade.
Ao acompanharmos os dois pontos de vista, fica iminente o encontro das antigas melhores amigas. Muita coisa mudou, a Hana foi curada e agora estão em lados opostos. Descobrimos uma grande revelação do passado e isso agita os alicerces daquela amizade. Agradou-me ainda haver vestígios da antiga Hana e de ela querer ajudar a Grace.
Gostei tanto do volume 2 que dei por mim a torcer para a Lena ficar com o Julian mas o primeiro amor deixa sempre marca, não é? Porém as coisas não foram pretas ou brancas, houve ali um bocado de cinzento (apesar de claramente amar Alex, havia sentimentos por Julian), e nem houve um desfecho conclusivo no final da história, refiro-me tanto à parte romântica como à parte da revolução.
Tive algumas surpresas neste volume, umas agradáveis outras nem tanto, mas de uma forma geral gostei da história e dos reencontros, sobretudo com a mãe da Lena e com a Grace. Aconselho :)

domingo, 12 de novembro de 2017

Pandemonium [Delirium 2], de Lauren Olivier - Opinião

Título original - Pandemonium
Saga: Delirium #2
Sinopse: The second book in Lauren Oliver’s remarkable New York Times bestselling trilogy about forbidden love, revolution, and the power to choose.
In this electrifying follow-up to Delirium, Lena is on a dangerous course that takes her through the unregulated Wilds and into the heart of a growing resistance movement. This riveting, brilliant novel crackles with the fire of fierce defiance, romance, and the sparks of a revolution about to ignite.


Opinião:
Após uma temporada afastada da saga, só agora retomei a leitura na esperança de terminar o desafio trilogia de 2017.
A narrativa alterna entre o antes e o agora. Somos convidados a acompanhar a integração da Lena junto dos novos companheiros, longe da sociedade, a sua adaptação, e paralelamente, a sua vida como membro integrante da rebelião em Manhattan.
A Lena e o Alex foram juntos até à cerca mas ele foi atingido e ficou para trás a sangrar, ao passo que ela passou. Ele assim o quis. Passaram-se dias e a Lena quase morreu em território selvagem, porém foi resgatada e juntou-se aos seus salvadores.
Ela aprende a levar uma vida à margem da sociedade, e com o passar do tempo alia-se aos rebeldes.
Em Brooklyn, ela tem uma nova identidade e integra um grupo que apela para que a intervenção da cura seja realizada antes da maioridade. A sua tarefa é observar Julian, o filho do líder do movimento.
Durante uma manifestação, os dois são raptados e mantidos em cativeiro. Na luta pela sobrevivência, eles aliam-se apesar de estarem em lados opostos, porém algo não bate certo...
[Pode conter spoilers]
Não sabia o que esperar deste volume mas com certeza surpreendeu pela positiva. Achei bem mais interessante do que o primeiro! Vemos a transformação da Lena, que passa de menina para mulher, apesar das circunstâncias não ser as melhores, ela passa de ingénua a guerreira, de sobrevivente a lutadora, e torna-se rebelde. Luta por uma causa.
Gostei de conhecer o Julian, o rapaz sofreu muito desde criança, merece apenas coisas boas e ser amado. Mas ele teme o delírio, até conhecer a Lena. Não a Lena de Manhattan, a do antes.
Quando estão em cativeiro, os jovens abrem-se um com o outro, falam de coisas que não deviam, deixam cair a máscara. Foi disso que mais gostei, de mostrarem a sua verdadeira natureza, de se exporem, permitiu-nos conhecê-los melhor e fez com que se aproximassem. O que me leva a outro aspecto que adorei.
Agradou-me imenso que a autora trouxesse a esperança para estas páginas, no sentido que é possível amar novamente após uma perda inestimável de um amor.
Sendo que o amor é irradicado aquando do procedimento e que pouco se sabe dos que ousaram amar, o facto da autora fazer com que a Lena permitisse encontrar o amor novamente trouxe mais valor à história.
Que bom que tivemos uma pista acerca da mãe da protagonista, foi interessante,  bem como aquele final inesperado!! Atiçou a curiosidade para o volume final. Aconselho :)
Este livro também serviu para outro tópico do TBR jar challenge, ler literatura distópica.

sábado, 11 de novembro de 2017

[2017] TBR Jar Challenge 7

Ora viva, aqui fica mais um papel do TBR jar challenge!




* Ler um livro de uma série que já tenha iniciado

*Challenge accepted!*

Para ver o progresso dos desafios, basta ir ao separador Desafios literários, logo abaixo do nome do blogue, que serão remetidos para o seu respectivo link.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

9 de Novembro, de Colleen Hoover - Opinião

Título original - November 9
Sinopse: A história de um amor capaz de curar e renovar a vida. O dia 9 de novembro No último dia de Fallon em Los Angeles, a sua vida cruza-se com a de Ben e os dois apaixonam-se perdidamente. A química que os une é tão forte e incontrolável que, apesar de Fallon estar a caminho de Nova Iorque, os dois prometem encontrar-se novamente. Os reencontros Durante cinco anos, sempre no dia 9 de novembro, Fallon e Ben encontram-se para construírem a sua história de amor, entre as várias relações e atribulações das suas vidas separadas. Apesar de só estarem juntos uma vez por ano, os dois envolvem-se cada vez mais e partilham um amor pleno de entrega, paixão e intensidade, capaz de os transformar e de sarar cicatrizes profundas. Cinco anos depois Fallon descobre que Ben carregou um enorme segredo durante cinco anos. O choque e a desilusão tomam conta do coração da jovem, devastada com a possibilidade de tudo ter sido uma farsa. Estarão os dois preparados para aceitar que as histórias de amor nem sempre têm um final feliz? Ou será Fallon capaz de perdoar o homem que ama? O passado, o presente e o futuro cruzam-se num livro arrebatador e envolvente.


Opinião:
Mais uma obra de Colleen Hoover, mais uma história de amor com muito drama, disso eu tinha certeza. Só não tinha certeza se ia gostar do livro mas gostei.
Fallon sofreu queimaduras num incêndio há dois anos devido à negligência do seu pai. Com o seu aspecto alterado para sempre, a sua confiança é abalada mas nem por isso ela desiste de ir para Nova Iorque tentar a sua sorte na Broadway. 
No dia da viagem ela conhece Ben e dá-se uma ligação imediata entre ambos. A química entre eles é quase palpável e prometem encontrar-se durante cinco anos apenas a cada 9 de Novembro. 
A sua relação floresce porém um segredo obscuro ameaça toldar o que parecia tão puro e real. Será o amor capaz de vencer todas as barreiras e perdoar o impensável?
Comecei a ler e impressionou-me a descrição do incidente do fogo e das consequências. Ela era uma actriz promissora e as circunstâncias em que se encontrava, ditaram o fim do seu contrato. Todos sabem que o "showbiz" é muito supérfluo e a aparência tem grande pesar na indústria cinematográfica.
Quanto ao desenrolar e desenvolvimento da relação dos pombinhos, é giro de se acompanhar e sei que o romance é acerca deles e dos seus reencontros anuais, contudo fiquei com vontade de saber mais acerca das suas vidas durante os intervalos de um ano. Foi tudo apenas tocado ao de leve (quanto muito) e deixou alguma curiosidade na minha opinião. 
Gostei de que este livro tivesse os dois pontos de vista dos protagonistas, deu mais riqueza à obra, foi bom saber o que se passava na cabeça de ambos durante os acontecimentos. 
Achei igualmente positivo que a Fallon soubesse de tudo o que de verdade aconteceu na vida do Ben e o que desencadeou os eventos decorridos, não através do diálogo mas através da leitura do manuscrito. De alguma forma, achei mais "sentido".
A autora deixa-nos com outro exemplo de como o perdão ajuda a sarar. Não só perdoar os outros mas também ser capaz de se permitir perdoar a si próprio. Recomendo.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

[2017] TBR Jar Challenge 6

Boa noite queridos, aqui fica mais um papel do TBR challenge!


* Ler um livro de literatura distópica

*Challenge accepted!*

Para ver o progresso dos desafios, basta ir ao separador Desafios literários, logo abaixo do nome do blogue, que serão remetidos para o seu respectivo link.

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Harry Potter e os talismãs da morte [Harry Potter 7], de J. K. Rowling - Opinião

Título original - Harry Potter and the deathly hallows
- Autora inglesa
Saga: Harry Potter #7
Editora: Editorial Presença
Sinopse: É neste sétimo volume que Harry Potter irá travar a mais negra e perigosa batalha da sua vida. Dumbledore reservou-lhe uma missão quase impossível - encontrar e destruir os Horcruxes de Voldemort... Nunca, em toda a sua longa série de aventuras, o jovem feiticeiro mais famoso do mundo se sentiu tão só e perante um futuro tão sombrio. Chegou o momento do confronto final - Harry Potter e Lord Voldemort... nenhum pode viver enquanto o outro sobreviver... um dos dois está prestes a acabar para sempre... Os seus destinos estão misteriosamente entrelaçados, mas apenas um sobreviverá... 
Numa atmosfera apoteótica e vibrante, Rowling desvenda-nos, por fim, os segredos mais bem guardados do universo fantástico de Harry Potter e deixa-nos envoltos, talvez para sempre, na sua poderosa magia. Este sétimo volume tem sido considerado pelo público e pela crítica como o melhor de toda a série de Harry Potter.

Opinião:

O volume mais "negro" de sempre e o que encerra para sempre a profecia.
O derradeiro volume de uma das sagas mais lidas de sempre. O final da história que acompanhou o crescimento de muitos de nós e encantou leitores um pouco por todo o Mundo :)
Tanto anos se passaram para chegar ao culminar da história. Eu confesso que não esperei pela tradução em português, este foi orgulhosamente o primeiro livro que li em inglês. 
É verdade que não entendi tudo, lembro-me perfeitamente da primeira ver que apareceu horcrux eu não compreendi (risos). Demorei um bocado mais a ler do que se estivesse traduzido mas é compreensível e valeu a pena.
Foram imensos os factos surpreendentes tanto em aspectos positivos como negativos. As mortes foram o que mais "custou digerir" mas a guerra era iminente e há sempre baixas. 
Creio que o mais chocante foi descobrir o verdadeiro Snape, a motivação da sua lealdade e o seu amor intemporal. Uma cena que para mim ainda hoje acho espectacular é entre ele e Dumbledore:
- After all this time?
- Always. 

<3 <3

Os fãs praticamente acabam por passar pelos cinco estágios do luto (estou a ser dramática) ao ler o livro, ao chegar à conclusão da saga. 
Felizmente para nós a escritora lançou Harry Potter and the cursed child este ano, o que foi uma alegria e motivo para festejar! Mas os verdadeiros sortudos são os que têm acesso à obra e...conseguiram assistir à peça de teatro com o mesmo título (quem me dera)!!!
Foi muito bom ter voltado a ler a obra, praticamente emocionei-me nos mesmos momentos e gostei tanto de ler como da primeira vez :) Aconselho.


Outras capas: