domingo, 31 de janeiro de 2016

Rainha vermelha [Red queen 1], de Victoria Aveyard - Opinião


Título original - Red Queen
Saga: Red queen #1
Editora: Saída de Emergência
Sinopse: O mundo de Mare, uma rapariga de dezassete anos, divide-se pelo sangue: os plebeus de sangue vermelho e a elite de sangue prateado, dotados de capacidades sobrenaturais. Mare faz parte da plebe, os Vermelhos, sobrevivendo como ladra numa aldeia pobre, até que o destino a atraiçoa na própria corte Prateada. Perante o rei, os príncipes e nobres, Mare descobre que tem um poder impensável, somente acessível aos Prateados.
Para não avivar os ânimos e desencadear revoltas, o rei força-a a desempenhar o papel de uma princesa Prateada perdida pelo destino, prometendo-a como noiva a um dos seus filhos. À medida que Mare vai mergulhando no mundo inacessível dos Prateados, arrisca tudo e usa a sua nova posição para auxiliar a Guarda Escarlate - uma rebelião dos Vermelhos - mesmo que o seu coração dite um rumo diferente.
A sua morte está sempre ao virar da esquina, mas neste perigoso jogo, a única certeza é a traição num palácio cheio de intrigas. Será que o poder de Mare a salva... ou condena?


Opinião:
A minha estreia com esta autora deveu-se a uma leitura conjunta num grupo do GR do qual sou membro integrante. A vontade de ler o livro já era grande, devido a todo o "falatório" e ao meu especial interesse na sinopse e género literário contudo devido à falta de tempo, estava no meu "monte TBR" (to be read). Gosto de participar em leituras conjuntas e tendo sido esta a obra seleccionada para o presente mês, foi o empurrãozinho que faltava para lê-la agora.
Como já devem ter calculado pela baixa taxa de publicações, tenho tido pouca disponibilidade. É verdade que tenho umas opiniões em atraso, mas também tenho tido pouquíssimo tempo para as minhas tão apreciadas leituras :( Esperemos que consiga contrariar esta tendência, uma vez que me dá imenso prazer partilhar convosco opiniões, ideias e sugestões de leituras.
A sociedade divide-se em Vermelhos, o povo, alguns dos trabalhadores, e os necessitados, aqueles que ao não serem aprendizes ou não estarem empregados, são recrutados aos 18 anos e vão para a guerra. Uma guerra que não é deles, mas sim dos Prateados, a elite, o topo da sociedade, os que, contrariamente aos Vermelhos, nasceram com sangue prata e habilidades.
Mare é uma Vermelha prestes a ser recrutada, mas ao cruzar-se com um estranho generoso, que lhe arranja trabalho no castelo, mal imaginou que a sua vida iria mudar drasticamente. 
Numa experiência de quase morte, Mare descobre que, inesperadamente, tem uma habilidade única. Como foi à vista de todos, a monarquia arquitecta uma história e uma falsa identidade, passando a protagonista a fingir ser filha de um general prateado assassinado e a futura esposa de um dos príncipes. A sua vida depende da interpretação do seu papel.
Paralelamente, a Mare descobre um movimento anti domínio Prateado que luta por igualdade, designado Guarda Escarlate. Ao tomar conhecimento da morte do irmão Shane pela mão dos Prateados, ela alia-se e secretamente vai vivendo uma emocionante vida dupla.
A atmosfera do livro é bastante envolvente, as personagens são interessantes e o desfecho apesar de ter situações algo previsíveis, acaba por surpreender pela maneira como decorrem alguns eventos, e como os vilões utilizam situações para seu beneficio e para a concretização dos seus planos maquiavélicos.
Algumas situações eram um bocado extremas a meu ver, num momento a Mare parecia gostar de uma personagem, pouco depois odiá-la, às vezes não sabia o que fazer, pouco depois estava imensamente segura.
Em todo o caso, um(a) vilã(o) era do nosso conhecimento e mais para o final descobrimos quem estava a ajudar verdadeiramente, e isso é sempre bom de se ler (no meu gosto) apesar de, a certa altura eu ter chegado a pensar na personagem em questão.
Apesar de notar um quê de semelhança com outra obra (o que por vezes pode acontecer, com tanta obra, parece-me difícil criar algo verdadeiramente inédito), a autora trabalhou muito bem a história e deixou-nos algo que proporciona ao leitor, um tempo de lazer bastante agradável.
Adoro ler este tipo de coisas, distopias, lutar por igualdade e pelos seus direitos como Humano, e esta obra deixou-me verdadeiramente entusiasmada, recomendo
Esta foi a primeira leitura deste género do ano, e fez parte do desafio literário de Janeiro - Literatura fantástica/Romance sobrenatural.

2 comentários:

  1. Este livro também faz parte da minha wishlist porque só vejo comentários positivos.

    Com qual outra obra achaste parecido?

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Olá, achei que algumas coisas faziam lembrar o Red rising - Alvorada vermelha (outro livro que também gostei). Este deixou-me com vontade de continuar a saga quando sair heheh
    Espero que gostes de lê-lo quando tiveres oportunidade, gostei bastante :) bjs e boas leituras

    ResponderEliminar