domingo, 12 de fevereiro de 2017

O guardião do tempo, de Mitch Albom - Opinião

Título original - The time keeper
Editora: Sinais de fogo
Sinopse: O inventor do primeiro relógio foi punido por tentar medir a maior dádiva de Deus, sendo banido durante séculos para uma caverna e forçado a ouvir as vozes de todos os que o procuravam em busca de mais tempo, de mais anos. Até que por fim, com a alma quase destroçada, o Guardião do Tempo recuperou a sua liberdade, juntamente com uma ampulheta mágica e uma missão: a oportunidade de se redimir ensinando a duas pessoas o verdadeiro sentido do tempo.
Regressando ao nosso mundo - agora dominado pela contagem das horas que ele tão inocentemente iniciara -, começa uma viagem com dois parceiros improváveis: uma rapariga adolescente que quer desistir de viver e um velho e poderoso homem de negócios que quer viver para sempre. Para se salvar, terá que salvar ambos... e parar o mundo para o conseguir.
Escrito no estilo habitual do autor, esta maravilhosa e original história inspirará os leitores, fazendo-os repensar as suas próprias noções de tempo, a forma como o despendem e o quão importante ele é verdadeiramente.

Opinião:
Após me deparar com alguns títulos do autor, elegi este para demarcar a minha estreia. Não sei ao certo porquê este, mas havia ali qualquer coisa de apelativo.
O protagonista, um rapaz naturalmente interessado, torna-se um homem ainda mais curioso com o passar do tempo. Como é estabelecido, naquela época o conceito de tempo não existia e tampouco era mensurável até o Dor começar a notar um padrão.
Dor começa a associar eventos do dia, que repetem-se dia após dia, com o "andamento" do Sol e eventualmente, observa as fases da lua e associa as mudanças, ao que sabemos agora tratar-se do mês.
Tamanha astúcia não passa despercebida ao Pai do céu, e um mensageiro surge e atribui a Dor a tarefa de ser o pai do tempo. Ele fica confinado numa gruta e é sentenciado a ouvir as lamurias dos homens que pedem sempre por mais tempo.
Gostei imenso! Uma história com tanto significado e tantas mensagens subjacentes! A começar com atribuição de responsabilidade, digamos. 
Causa e efeito. 
Arcar com consequências. 
A possibilidade de redenção. 
Actos altruístas poderão permitir a própria salvação. 
O livro como um todo parece uma lição de vida e "um abre olhos", um alerta.
Eita, quando acabei de ler fiquei um bocado parada a pensar. Quanto desperdício de tempo e de oportunidades? 
Fez-me pensar na minha família, nas saudades que tenho deles, no tempo desperdiçado no tempo mal aproveitado, no valor que têm! É como dizem: a vida são dois dias. Sejam felizes e mantenham perto aqueles que vos são mais queridos, mantenham os laços e o contacto sempre que possível.

Sem comentários:

Enviar um comentário