segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

A maldição do vencedor [The winner's curse 1], de Marie Rutkoski - Opinião

Título original - The winner's curse
Saga: The winner's trilogy #1
Editora: TopSeller
Sinopse: Kestrel, jovem filha do poderoso general de Valoria, tem apenas duas opções: alistar-se no exército ou casar-se. Ela tem, no entanto, outras aspirações e procura libertar-se do seu destino, rebelando-se contra o pai.
Num passeio clandestino pela cidade, Kestrel vai parar a um leilão de escravos, onde se depara com um jovem, Arin, que parece querer desafiar o mundo inteiro sozinho. Num impulso, ela acaba por comprá-lo — por um preço tão alto, que a torna alvo de mexericos na sociedade.
Arin pertence ao povo de Herrani, conquistado dez anos antes pelos Valorianos. Além de ser um ferreiro exímio, revela-se também um cantor extraordinário, despertando a curiosidade de Kestrel. Arin, contudo, tem um segredo, e Kestrel não tardará a descobrir que o preço que pagou por ele poderá custar muito mais do que aquilo que alguma vez imaginara.


Opinião:
Li este livro à conta de uma leitura conjunta. Confesso que se não fosse por isso, provavelmente o livro não tinha suscitado interesse em mim apenas pela sinopse.
Kestrel compra um escravo Herrani por impulso e leva-o para casa, onde passa a desempenhar funções de ferreiro. Veio a calhar pois ela é a filha do general e nenhuma outra habilidade é tão adequada. 
Porém ela requer a sua companhia diversas vezes, mesmo em festas da alta sociedade, e logo começam os mexericos. Ela não lhes dá muita importância pois está apenas interessada na sua personalidade distinta e sinceridade. Já ele tem outro tipo de interesse.
Por ser um livro de temática que de uma forma generalizada não me atrai (guerras, conquistas, poder, escravatura), provavelmente irei apenas ler a continuação em conjunto com o grupo (se eles não lerem imediatamente) e não tanto por iniciativa própria. Com isto não estou a insinuar que foi um mau livro, antes pelo contrário.
Um aspecto (muito) negativo do livro é sem dúvida a escravatura. Não há como não enxergar isso mas faz parte da narrativa e da história que está a ser contada, sendo que um povo conquistou outro. Seja como for, a história dá mostras de seguir um caminho que leva à liberdade.
Agradaram-me as mostras de inteligência nas mais diversas situações, o carácter das personagens, o amor pela arte musical (ela por tocar piano, ele por cantar), o uso de estratégia em diversas situações. O próprio conceito dos termos que dão o nome ao livro, foi para mim novidade, nunca ouvi nada de parecido. E depois há também aquele trocadilho, do título com a história, ela levou o prémio consigo mas nesse instante amaldiçoou todos os Valorianos.
Foi divertido ler acerca dos costumes e das disparidades entre os hábitos dos povos. Achei intrigante o facto do povo conquistador ter adquirido hábitos do povo conquistado e passar a integrá-los no seu quotidiano, inclusive junto da alta sociedade. Ao dizer isto, estou a referir-me sobretudo ao simples (e para nós tão vulgar) acto de comer as refeições com talheres! Imagino que terá sido assim na realidade em algum momento da história do Homem, mas uma pessoa normalmente não costuma pensar muito sobre isso, não é?
Se ficaram curiosos, dêem uma vista de olhos e boa leitura :) 

Sem comentários:

Enviar um comentário